De acordo com o ICA, num comunicado divulgado no seu ‘site’, “Our Madness” e “A Batalha de Tabatô” são exibidos a 28 de agosto, no Auditório do Arsenal, sob o título “João Viana Bolseiro DAAD 2018 – Cinema Pós-Colonial”.

O realizador está em Berlim “a convite do DAAD (The Artists-in-Berlin Program), com uma bolsa de 16.300 euros para escrever o seu próximo filme: ‘KWANZA’”.

“Our Madness” pretende discutir a realidade atual de Moçambique - onde foi rodado - e conta a história de um menor que retira a mãe de um hospital psiquiátrico, em Maputo, para a levar ao encontro do pai, que está numa zona de confrontos militares, devido à crise política no país.

João Viana, nascido em Angola, estreou o filme em fevereiro no Festival de Cinema de Berlim. Em maio, “Our Madness” venceu o Prémio de Melhor Longa-metragem Portuguesa do festival IndieLisboa.

“A Batalha de Tabatô” valeu a João Viana uma menção honrosa no Festival de Cinema de Berlim em 2013.

João Viana viajou para Tabatô, uma aldeia de músicos mandingas na Guiné-Bissau, e veio de lá com dois filmes: a longa-metragem “A Batalha de Tabatô” e a curta “Tabatô”.

Em entrevista à Lusa, em 2013, o realizador contou que, a princípio, a aldeia de Tabatô não o surpreendeu – "as tabancas pareciam todas iguais" e "não via a riqueza" da floresta.

Foi "preciso peneirar a realidade" e "limpar o olhar ocidental", confessou, classificando o resultado como "um filme de descolonização mental”.

"Da mesma maneira que nós temos um olhar viciado para com eles – olhamos sempre de cima do cavalo, estamos com o olhar sujo, eles também nos olham de baixo para cima", comparou. O "nivelamento" de olhares "demorou alguns anos", mas funcionou e João Viana espera que os espetadores também saiam do filme - falado em mandinga, uma das línguas étnicas da Guiné - "com o olhar limpo".