O maior dos estúdios de cinema também cedeu à pandemia do coronavírus: a Disney cancelou as estreias de "Mulan" (27 de março) e "Novos Mutantes" (3 de abril).

A imprensa especializada americana avança que um terceiro título, "Antlers", da divisão "indie" Searchlight, também saiu de 7 de abril.

A Disney era o estúdio que mais resistia a alterar as datas dos seus filmes de orçamento gigantesco: manteve a de "Mulan" apesar do seu maior mercado potencial, a China, ter todas as salas fechadas desde janeiro.

A estreia mundial realizou-se na segunda-feira (9) em Los Angeles e já hoje, a antestreia europeia manteve-se após o cancelamento da passadeira vermelha.

Não foram avançadas novas estreias concretas para os filmes: a Disney estará a analisar outras potenciais datas onde os possa colocar ainda este ano.

Por agora, "Viúva Negra", da divisão Marvel, mantém-se a 1 de maio (30 de abril em Portugal).

12 de março: um dia dramático para Hollywood

Os analistas já não acreditavam no adiamento de "Mulan" por causa dos muitos milhões de dólares gastos em publicidade.

No entanto, com metade dos dez maiores mercados de cinema afetados pelo coronavírus, o grande orçamento em causa (200 milhões de dólares) e a rápida degradação da situação nos EUA, em que vários grandes eventos foram cancelados ou adiados, a Disney chegou a uma situação em que arriscava mais prejuízos do que ganhos ao manter a data.

Apenas há uma semana, a 5 de março, os grandes estúdios tinham tranquilizado os exibidores, dizendo que o adiamento no dia anterior de "007: Sem Tempo Para Morrer" (de 9 de abril para 25 de novembro) era um caso "único" e se mantinham as datas para outros filmes.

Com o aumento dos testes positivos para o coronavírus e vários países a implementar medidas de saúde pública, na terça-feira (10) "Peter Rabbit: Coelho à Solta" tornou-se o segundo grande filme a ser adiado: marcado para 26 de março, para coincidir com as férias da Páscoa, alterou para 7 de agosto.

A situação dos cinemas degradou-se quando o coronavírus passou de epidemia a pandemia.

Esta quinta-feira (12), Dinamarca, Noruega e Grécia juntaram-se à China, Itália, Polónia, República Checa, Irão, Líbano e Kuwait, encerrando os cinemas e outros espaços de grande concentração de pessoas.

O mesmo deverá acontecer em breve com os cinemas da Suécia, Finlândia e Bélgica, bem como os de Kiev (Ucrânia) e Budapeste (Hungria).

Noutros países ainda com os cinemas abertos, a afluência de espectadores caiu a pique, incluindo em Portugal.

No espaço de poucas horas, os estúdios cancelaram as estreias dos seus grandes filmes.

A decisão mais drástica foi a da Universal Pictures para "Velocidade Furiosa 9", que passou de 22 de maio para 2 de abril de 2021, a data em que estava previsto estrear o décimo e último filme da saga.

Antes, a Paramount cancelara a estreia de "Um Lugar Silencioso 2".

Tal como "Mulan", não se acredita que isso fosse acontecer porque estava marcado para a semana (19) e o estúdio já teria gasto 60% do seu orçamento global para publicidade. Não foi anunciada uma nova data.

O mesmo estúdio também adiou "The Lovebirds", uma comédia de ação com Kumail Nanjiani e Issa Rae: anunciada para 3 de abril, ficou sem nova data.

O único filme de um grande estúdio de Hollywood que se mantém antes de "Viúva Negra" é a animação "Trolls: Tour Mundial", prevista para 23 de abril (data portuguesa).

Mais informações sobre o COVID-19.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.