Após conquistar as séries, 2019 foi um ano de grande afirmação para a Netflix nos filmes.

Depois de ver "Roma" arrecadar 10 nomeações e conquistar três Óscares em fevereiro, a plataforma de streaming chegou ainda mais longe com a aposta em grandes cineastas, dando-lhes total liberdade criativa (e financeira).

“O Irlandês”, de Martin Scorsese, “Marriage Story”, de Noah Baumbach, “Dois Papas”, de Fernando Meirelles, e “Chamem-me Dolemite”, de Craig Brewer, são os filmes que estão a destacar-se nesta temporada de prémios que culminará na cerimónia dos Óscares, este ano marcada para 9 de fevereiro.

No início deste ano, a Netflix anunciou 21 novos filmes originais que tem na agenda e além de sequelas dos seus sucessos próprios "A Todos os Rapazes que Amei" e "A Banca dos Beijos", estão apostas claras para os Óscares de 2021.

A maior parece ser em "Mank", o primeiro filme de David Fincher desde "Em Parte Incerta" (2014) e muito pessoal: o argumento foi escrito pelo pai, Jack Fincher, falecido em 2003.

David Fincher

O cineasta reforça a intensa relação com a Netflix que vem das séries "House Of Cards", "Mindhunter" e "Love, Death + Robots", com um projeto peculiar a preto e branco sobre os bastidores de "Citizen Kane" (1941), de  Orson Welles, e a disputa que surgiu à volta de quem contribuiu mais para a autoria daquele que é considerado o melhor filme da história do cinema. No elenco estão Gary Oldman, Amanda Seyfried, Charles Dance e Lily Collins.

Spike Lee

Incontornável na lista é também "Da 5 Bloods", o primeiro filme de Spike Lee desde o sucesso nos Óscares de "BlackKklansman".

O elenco junta Chadwick Boseman (a estrela de "Black Panther"), Paul Walter Hauser, Norm Lewis, Delroy Lindo e Jonathan Majors como veteranos da Guerra do Vietname que regressam para procurar os restos mortais do líder do seu pelotão, pela promessa de um tesouro escondido e o reencontro com uma inocência perdida.

A Netflix também é o lar de "Hillbilly Elegy", o próximo filme de Ron Howard, o vencedor dos Óscares com "Uma Mente Brilhante". Baseado nas memórias de J.D. Vance, é descrito como uma exploração moderna do Sonho Americano à volta de três gerações de uma família, onde estão atores como Glenn Close e Amy Adams.

Ryan Murphy

Com um contrato de 300 milhões de dólares assinado em 2018, Ryan Murphy (criador de séries como "Nip/Tuck", "Glee", "American Horror Story" e "American Crime Story") avançou na realização de filmes com a adaptação do musical da Broadway "The Prom".

O elenco é a maior parada de estrelas de um projeto original da Netflix: Meryl Streep, Nicole Kidman, James Corden, Ariana Grande, Awkwafina, Keegan-Michael Key e Andrew Rannells.

A história anda à volta de Dee Dee Allen (Streep), uma atriz veterana vencedora de dois prémios Tony (os Óscares do teatro americano), que se juntou a Barry Glickman (Corden) num fracasso musical. Após receberem críticas arrasadoras, os dois decidem, juntamente com os excêntricos Angie Dickinson (Kidman) e Trent Oliver (Rannells), patrocinar uma causa para reabilitar as carreiras. E encontram-na na estudante finalista do liceu em Indiana que não é autorizada a levar a sua namorada ao baile de finalistas.

Dee Rees

O quinto filme com ambições claras para a temporada de prémios 2020-21 é "The Last Thing He Wanted", de Dee Rees, a realizadora de "Mudbound - As Lamas do Mississípi", que ajudou a Netflix a ganhar estatuto nos Óscares ainda antes de "Roma".

Trata-se da história de uma jornalista de Washington (Anne Hathaway) que acaba por se ver inconscientemente no centro de uma história que estava a investigar quando aceita fazer um favor ao pai às portas da morte (Willem Dafoe). No elenco está ainda Ben Affleck.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.