A estreia de "Mulan" nos cinemas chineses ficou muito abaixo das expectativas e está a ser uma desilusão.

Embora tenha sido lançado em video-on-demand a preços premium no Disney+ por causa da pandemia, a nova versão de "Mulan" estreou em vários países que ainda não têm a plataforma de streaming (em Portugal, fica disponível, sem acréscimo de custos, só a 4 de dezembro).

Um deles é a China e a expectativa era grande: o blockbuster da Disney custou 200 milhões de dólares e foi feito à medida daquele que está prestes a tornar-se o maior mercado de cinema do mundo, com uma história muito popular há séculos no país e atores de origem asiática, como Liu Yifei, Donnie Yen e Gong Li.

Apesar disso, as receitas desde a estreia na sexta-feira (11) foram apenas o equivalente a 23,1 milhões de dólares, não chegando às previsões dos analistas, que já tinham sido revistas em baixa para 30 a 40 milhões.

A principal empresa de venda de bilhetes online na China projeta agora que "Mulan" não vá arrecadar mais do que 41 milhões.

Apesar da lotação das salas estar limitada a 50%, o mercado de cinema no gigante asiático mostra sinais de rápida recuperação quando os filmes são mediáticos, como provam o sucesso do filme local "The Eight Hundred" (387 milhões de dólares desde 21 de agosto) e a estreia de "Tenet" no fim de semana anterior a "Mulan" (30 milhões).

Segundo os analistas, a grande produção da Disney está a ser prejudicada pelo sucesso desses dois filmes, mas também pela pirataria provocada pelo lançamento no Disney+, que fez alastrar rapidamente queixas sobre alterações à história. Na rede social Douban, os espectadores deram uma classificação de 4,9 em 10, quando "Tenet" recebeu 7,8.

A terceira razão apontada para a desilusão é o bloqueio informativo ao filme imposto aos grandes meios de comunicação social, que se pensa ser uma reação das autoridades estatais às notícias internacionais negativas sobre os agradecimentos da Disney às autoridades de Xinjiang, onde foram rodadas cenas, acusadas de violação dos direitos humanos contra a minoria étnica muçulmana Uigur.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.