Em 2015, Emilia Clarke foi Sarah Connor em "Exterminador: Genisys", que acabou por ser uma má experiência comercial, mas tudo podia ter sido diferente se tivesse aceite ser Anastasia Steele em "As Cinquenta Sombras de Grey".

Numa entrevista ao The Hollywood Reporter, a atriz revelou que recusou o cobiçado projeto por causa da nudez para as cenas de sexo. E a culpa foi a experiência em "A Guerra dos Tronos".

"A [realizadora] Sam [Taylor-Johnson] é uma mágica. Adoro-a e pensei que a sua visão foi linda. Mas a última vez que fiquei nua para a câmara foi há muito tempo e, no entanto, é a única pergunta que me fazem por ser mulher. E é bastante irritante e estou cansada porque o fiz para a personagem — não o fiz para que um tipo qualquer pudesse ver os meus seios", explicou.

A situação acabou por ser de tal forma marcante que a intérprete de Daenerys Targaryen disse que não podia avançar para outra semelhante quando surgiu a possibilidade de ser Anastasia Steele, papel que acabou por ir para Dakota Johnson.

"Fiz uma quantidade mínima e estou marcada para a vida toda, portanto dizer sim a isso, em que a coisa toda é sobre sensualidade e sexo e estar nua e tudo isso, fiquei tipo 'Nem pensar que me vou sujeitar voluntariamente a essa situação e nunca mais ser capaz de olhar alguém nos olhos e dizer 'Não, não me pode continuar a fazer essa pergunta.'", recordou.

Emilia Clarke já tinha mostrado o seu desconforto com o tema precisamente no ano da estreia de "As Cinquenta Sombras de Grey".

"Não suporto cenas de sexo. Deveriam ser mais subtis. Sou britânica, por isso não gosto desse tipo de coisas. A maior parte das cenas de sexo que se veem em filmes ou na televisão são gratuitas e servem simplesmente para atrair a audiência. No ecrã, quanto mais subtil, melhor.", contou ao Daily Mail.