Um porta-voz do serviço de segurança informou a AFP que, embora não exista nenhuma suspeita de ameaça iminente, "o departamento manterá uma forte presença nas salas de cinema quando o filme estrear" na próxima semana.

Esta produção, na qual Joaquin Phoenix interpreta o arqui-inimigo de Batman, levantou preocupações sobre incitação à violência, uma vez que aborda a história de um homem marginalizado que se transforma num assassino cruel.

"Encorajamos todos a sair e desfrutar de todas as atividades de lazer oferecidas por esta cidade no fim de semana. No entanto, os moradores de Los Angeles devem permanecer atentos e sempre atentos ao que acontece à sua volta", disse a porta-voz Rosie Cervantes. "Como sempre, se encontrar algo suspeito, denuncie".

A estreia de "Joker", a 4 de outubro nos Estados Unidos, ocorre sete anos depois de um homem  ter aberto fogo num cinema em Aurora, Colorad, precisamente na estreia de um filme do homem-morcego, "Batman - O Cavaleiro das Trevas Renasce", matando 12 pessoas e deixando 70 feridos.

"O Departamento da Polícia de Los Angeles está ciente das preocupações do público e da importância histórica associada à estreia de 'Joker'", disse Cervantes.

No início desta semana, parentes e amigos das vítimas de Aurora escreveram uma carta aberta ao estúdio da Warner, na qual manifestaram preocupação com o fato de "Joker" apresentar a origem do vilão "de maneira simpática".

Realizado por Todd Phillips, o filme mostra a personagem como um jovem gravemente deprimido que tenta construir uma carreira como comediante, mas é constantemente rejeitado e agredido pela sociedade até que decide vingar-se de uma forma excessivamente violenta.

As famílias de Aurora destacaram que a tragédia real que caiu sobre elas foi "praticada por um indivíduo socialmente isolado que se sentiu 'maltratado' pela sociedade".

Ao ser detido, James Holmes, o responsável pelo massacre de 20 de julho de 2012 em um cinema lotado que exibia o filme do Batman, identificou-se às autoridades como "Joker".

A Warner informou que "nem a personagem fictícia Joker, nem o filme, é um apelo a qualquer tipo de violência no mundo real. Não é a intenção do filme, dos cineastas ou do estúdio mostrar essa personagem como um herói".

O filme também estreia semanas após os recentes massacres que deixaram 22 mortos em El Paso, Texas, nove em Dayton, Ohio, e sete em Odessa, também no Texas.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.