De geração em geração, desde 1939 que "O Feiticeiro de Oz" junta crianças e adultos.

Agora, um estudo da Universidade de Turim (Itália) também concluiu que é o filme mais influente da história do cinema.

Ignorando dados de bilheteira ou até as críticas positivas que receberam, um programa informático tratou os filmes como segmentos de uma rede, medindo como se relacionavam com outros.

A ideia é que os filmes com maior impacto cinematográfico inspirariam referências artísticas noutros títulos que foram produzidos a seguir.

Nos lugares imediatamente a seguir ficaram "A Guerra das Estrelas" (1977) e "Psico" (1960). Todos os filmes do TOP 20 são anteriores a 1980 e metade antes de 1940.

VEJA A LISTA COMPLETA.

A maioria também é dos EUA, mas isso não é surpreendente: os analistas estudaram 47 mil filmes através da base de dados do Internet Movie Database (mais conhecida por IMDB), alertando que esta é fortemente tendenciosa para os países ocidentais.

Usando o mesmo sistema de referências entre filmes, o estudo também calculou uma rede de influências entre realizadores.

Aqui, o TOP 20 começa com George Cukor, Vitor Fleming (realizador de "O Feiticeiro de Oz"), Alfred Hitchcock, Mervyn LeRoy e Steven Spielberg. Em 13º surge o único realizador que começou a fazer filmes após 19080: James Cameron, das sagas "Exterminador Implacável", "Avatar" e o campeão dos Óscares "Titanic".

Como os filmes mais antigos têm uma tendência para estarem mais bem posicionados no ranking do que os mais recentes, usaram-se outros critérios para evitar esses efeitos do tempo.

Pegando nos títulos que ficavam nos 15% dos mais influentes por ano até 2010 e atribuindo aos seus realizadores "medalhas" de ouro, prata e bronze como nos Jogos Olímpicos, descobriram-se os que tiveram carreiras artisticamente mais produtivas e a lista fica mais diversa: Hitchcock lidera claramente, seguindo-se até ao 10º lugar Spielberg, Brian De Palma, Howard Hawks, John Ford, Martin Scorsese, Ingmar Bergman, Stanley Kubrick, Gerald Thomas e Ishirō Honda.

O estudo é vasto e pode ser lido no artigo publicado nesta ligação.