Com 11 nomeações, "Joker", de Todd Phillips, lidera a corrida aos Óscares, seguindo por "Era Uma Vez em... Hollywood", de Quentin Tarantino, "O Irlandês", de Martin Scorsese, e "1917", de Sam Mendes, todos com menos uma.

VEJA AQUI A LISTA COMPLETA DE NOMEADOS

Os nomeados para a 92.ª edição dos Óscares, os prémios norte-americanos de cinema, foram anunciados pouco depois das 13h00 (hora de Lisboa), numa transmissão global em direto da sede da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas em Los Angeles, conduzida pelos atores John Cho e Issa Rae.

Portugal podia, pela primeira vez, ter um filme nomeado em 92 anos de cerimónias, mas "Tio Tomás: A Contabilidade dos Dias", falhou a nomeação para Melhor Curta-Metragem de Animação de ter chegado à “short-list” de 10 finalistas. A realizadora Regina pessoa já esteve nesta posição com "História Trágica com Final Feliz” (2006).

Ainda assim, "Klaus", da espanhola SPA Studios, disponível na plataforma Netflix, foi nomeado nas longas-metragens de animação: na qualidade de supervisor de animação está o português Sérgio Martins e o seu irmão gémeo, Edgar Martins, foi o supervisor de argumento no mesmo filme.

As nomeações ficaram marcadas por várias surpresas, como a estreia de Scarlett Johansson nos Óscares logo com duas nomeações, para Melhor Atriz por "Marriage Story" e Atriz Secundária por "Jojo Rabbit": a primeira era esperada, a segunda menos e deixou de fora duas favoritas.

Outra dupla nomeação foi a de dupla nomeação de “Honeyland”, da Macedónia do Norte, para Melhor Filme Internacional (uma estreia na categoria) e Melhor Documentário de Longa-Metragem.

Depois há as surpresas pelas ausências, como as de "Frozen II: O Reino do Gelo" para Filme de Animação, da canção de Beyoncé para "O Rei Leão", de "1917" e "Era Uma Vez em... Hollywood" da Montagem, e "Apollo 11" dos documentários. Ou da latina Jennifer Lopez e de Nicole Kidman como secundárias, por "Ousadas e Golpistas" e "Bombshell: O Escândalo", respetivamente. E embora não fosse um favorito, também pesa a completa exclusão das nomeações de "A Despedida".

Em tempos de Time´s Up, o debate à volta da "representatividade" também faz parte da temporada de prémios: além das ausências de Jennifer Lopez e "A Despedida" (nomeadamente da atriz Awkwafina), irá certamente gerar controvérsia que Cynthia Erivo ("Harriet", sem estreia prevista em Portugal) seja a única negra nas quatro categorias de nomeações e Antonio Banderas ("Dor e Glória") o único latino.

A apresentadora Issa Rae também não deixou de dar os parabéns aos cinco "homens" nomeados para Melhor Realização:  Scorsese, Tarantino, Mendes, Phillips e Bong Joon-ho ("Parasitas"), ficando excluída Greta Gerwig por "Mulherzinhas".

"Joker" chega-se à frente

JOKER EM DUPLICADO

Fenómeno de bilheteira que se tornou também social e cultural, o filme sobre um comediante de stand-up fracassado cuja doença mental é agravada pela indiferença ou mesmo hostilidade da sociedade que o rodeia, transformando-se no assassino psicopata conhecido como Joker, torna-se o grande favorito às estatuetas: também é o mais nomeado para os BAFTA, os prémios da Academia de Cinema Britânica, com o mesmo número de nomeações.

Um ano após as dez nomeações e três estatuetas para "Roma", a Netflix aumentou a sua presença na corrida a Melhor Filme: além do épico de Martin Scorsese, foi ainda nomeado "Marriage Story" (seis nomeações), um olhar profundo e humano sobre o fim de um casamento e a união de uma família, realizado por Noah Baumbach.

Os outros títulos nomeados para a principal estatueta foram "Le Mans '66: O Duelo" (quatro nomeações), "Jojo Rabbit" (seis), "Mulherzinhas" (seis) e "Parasitas" (seis).

Melhor Filme Internacional: acabou o enguiço da Coreia do Sul

Confirmou-se a admiração de Hollywood pelo vencedor da Palma de Ouro do Festival de Cannes "Parasitas", com que o realizador Bong Joon-ho acompanha uma família coreana no desemprego que começa a ter um interesse peculiar por uma outra, esta com um estilo de vida cheio de glamour – até que todos se envolvem num acontecimento absolutamente inesperado.

Além de Melhor Filme, Realização, Argumento Original, Design de Produção e Montagem, está nomeado para a rebatizada categoria de Melhor Filme Internacional: incrivelmente, à 31ª candidatura, é a estreia do cinema da Coreia do Sul.

É o grande favorito na categoria em que estão os esperados "Dor e Glória", de Pedro Almodóvar (Espanha), "Os Miseráveis", de Ladj Ly (França, que arrecada a 38ª nomeação, um recorde) e "Corpus Christi - A Redenção", de Jan Komasa (Polónia).

A grande surpresa é “Honeyland”, da Macedónia do Norte, que também acumula a nomeação com Melhor Documentário de Longa-Metragem: realizado por Tamara Kotevska e Ljubomir Stefanov, o filme, estreado e premiado no Festival de Sundance, regista a vida e o ofício da apicultora Hatidze Muratova na aldeia remota de Bekirlija e a sua relação com a sua mãe acamada de 85 anos.

Surpresa nos filmes de animação

TOY STORY 4

Na categoria de animação de longa-metragem, a grande surpresa foi a ausência da Disney com "Frozen II: O Reino do Gelo", embora o estúdio continue a marcar presença por via da Pixar, com “Toy Story 4”.

A DreamWorks conseguiu colocar na corrida o terceiro e último filme da saga “Como Treinares o teu Dragão” e, após conquistar o Globo de Ouro, “Mr. Link” conseguiu nova nomeação para o estudio Laika.

O francês “J’ai Perdu mon Corps”, que tinha estreado na Semana da Crítica do Festival de Cannes e está atualmente disponível na Netflix, conseguiu furar a hegemonia anglo-saxónica e garantir também a nomeação.

Se Portugal não conseguiu estar presente nas curtas-metragens, está-o de alguma forma nesta categoria de longas animadas com “Klaus”, a longa-metragem da Netflix produzida em Espanha e que conta com dois talentos lusos entre a principal equipa criativa, os gémeos Sérgio e Edgar Martins, respetivamente nos postos de supervisor de animação e supervisor de argumento.

O grande "estúdio" Netflix

Cinema Ideal. “A decisão da Netflix de não autorizar a estreia de 'O Irlandês' em Portugal é uma absoluta falta de respeito

Além das dez nomeações por "O Irlandês" e as seis de "Marriage Story", a Netflix garantiu três para "Dois Papas" (Melhor Ator, Melhor Secundário e Melhor Argumento Adaptado), uma para Melhor Longa-Metragem de Animação ("Klaus") e mais duas para Melhor Documentário de Longa-Metragem, de que garante a distribuição: "American Factory", produzido pelo casal Barack e Michelle Obama, e o brasileiro "Democracia em Vertigem", de Petra Costa.

REVEJA O ANÚNCIO.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.