O projecto foi hoje apresentado pela autarquia e enquadra-se num conjunto de iniciativas que a candidatura está a desenvolver em áreas para além da música, criando cruzamentos entre artes que integram a rede da Unesco.

Reinata Sadimba já iniciou a residência, que foi hoje apresentada pelo vereador da Cultura de Leiria como "uma forma de aproximação de povos e culturas".

Para Gonçalo Lopes, esta é uma oportunidade de dar visibilidade ao artesanato produzido na Bajouca, que tem longa tradição, mas "não tem a visibilidade que a sua qualidade merece".

"Fazemos obras de grande qualidade, mas por vezes ficamos no anonimato", disse.

A coordenadora da candidatura de Leiria a Cidade Criativa da Música, Celeste Afonso, considera a presença das duas ceramistas na Bajouca "uma prova de que a criatividade não tem de assentar exclusivamente no futuro”.

“Muitas vezes, a criatividade resulta de olhar para o que temos, para o que nos diferencia e fazer um pouco diferente".

Dentro de dias, também outra artista moçambicana, Merina Amade, se junta ao projecto, numa troca de saberes e experiências sobre a arte de trabalhar o barro entre as duas ceramistas convidadas e os artesãos locais da Bajouca.

O trabalho pode ser acompanhado ao vivo pelo público, nas diversas olarias da localidade. Mais tarde, dará lugar a exposições em Leiria, na recriação Leiria Há Cem Anos, e em Lisboa, em local a designar.