O cineasta ucraniano Oleg Sentsov, preso na Rússia, foi escolhido como o vencedor do prémio Sakharov 2018, concedido há 30 anos pelo  Parlamento Europeu para distinguir pessoas que apresentaram uma "contribuição excepcional" para a luta pelos direitos humanos, informaram fontes parlamentares à agência AFP.

O anúncio oficial acontecerá nas próximas horas.

Indicado pela principal bancada, o Partido Popular Europeu (PPE), Sentsov era um dos finalistas do prémio, ao lado do ativista marroquino Nasser Zefzafi e de ONGs que resgatam migrantes no Mediterrâneo.

Natural da península ucraniana da Crimeia anexada pela Rússia em 2014, Oleg Sentsov está preso em Labytnangi, para lá do Círculo Polar Ártico. Terminou na semana passada uma greve de fome de 145 dias.

Detido na sua casa em maio de 2014, este pai de dois filhos foi condenado em agosto de 2015 a 20 anos de prisão por "terrorismo" e "tráfico de armas" após um julgamento denunciado como "estalinista" pela Amnistia Internacional.

Ele iniciou a greve de fome para exigir a libertação de todos os "prisioneiros políticos" ucranianos detidos na Rússia, antes de terminá-la para evitar ser alimentado à força.

Os países do G7, assim como muitas personalidades do mundo cultural, pediram a sua libertação.