"Nós dois tivemos o privilégio de uma boa educação e queremos ajudar mais estudantes, especialmente estudantes de cor, a ter o mesmo grande início de vida", informou o casal em comunicado.

Face aos intensos protestos nos Estados Unidos contra a violência policial e o racismo sistémico, muitas empresas adotaram ações públicas para apoiar o movimento Black Lives Matter.

Os 120 milhões dólares serão divididos igualmente entre Spelman, Morehouse College, duas universidades em Atlanta, e o United Negro College Fund.

O objetivo é financiar bolsas de quatro anos para novos alunos nos próximos 10 anos.

Essas universidades "têm resultados espetaculares e ainda estão em desvantagem em termos de doações financeiras. O capital branco geralmente é alocado principalmente para instituições brancas, perpetuando a diferença de capital", acrescentaram.

A Apple destinou recentemente 100 milhões de dólares para combater o racismo, e a Google contribuirá com 275 milhões dólares para ajudar artistas afro-americanos no YouTube e participar de financiamentos de pequenas empresas para pessoas da comunidade negra, entre outros projetos.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.