Devido à pandemia da COVID-19, a Orquestra Experimental de Instrumentos Nativos, da Bolívia, ficou presa no Palácio Rheinsberg, a uma hora e meia de Berlim. Os músicos chegaram no dia 10 de março à Alemanha e o objetivo era ensaiar durante apenas duas semanas, antes de arrancar a digressão pela Europa.

Os 15 dias previstos de ensaios no palácio prolongaram-se devido ao confinamento decretado e a orquestra de 27 músicos bolivianos está à sensivelmente 75 dias hospedada num hostel junto ao castelo alemão, conta a BBC.

Orquestra Experimental de Instrumentos Nativos
créditos: Orquestra Experimental de Instrumentos Nativos

"O nosso autocarro avariou no caminho para cá. Em brincadeira, lembro-me de dizer que era um sinal de azar e que os nossos concertos iam ser cancelados. Mas nunca pensei que isto acontecesse", contou Carlos, um dos músicos, à BBC. A orquestra conta ainda que os seus concertos foram cancelados pouco depois de chegarem à Alemanha e que tentaram voltar à sua terra natal, mas sem sucesso.

Para ocupar o tempo livre, a Orquestra Experimental de Instrumentos Nativos tem ensaiado seis horas por dia -  três horas de manhã e três horas à tarde. Os músicos têm também aproveitado para passear pela floresta, onde vivem 23 alcateias de lobos.

À BBC, os músicos recordaram ainda que há uma lenda que diz que a zona é habitada por fantasmas. "Costumamos dizer que o fantasma do rei nos segue. Normalmente não acredito nessas coisas, mas parece que há mesmo fantasmas no palácio", confessou Camed, músico da orquestra.

"Há sítios piores para ficar preso. Quando acordo, vejo o sol nascer por cima da floresta e do lago... Em casa, só ouço o barulho do trânsito", sublinhou Miguel, de 25 anos, em conversa com a BBC.

Além dos lobos e das histórias sobre fantasmas, no palácio há ainda um pequeno gato, que já se tornou numa estrela nas redes sociais.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.