A plataforma, fortemente desejada pelo público, explica o comunicado enviados às redacções, contou com a participação de cerca de cento e cinquenta (150) artistas entre nacionais e internacionais provenientes de 14 países: Moçambique, Portugal, Estados Unidos da América, França, Zimbabwe, Quénia, Espanha, Ilhas Comores, Mayotte, Burquina Fasso, Namíbia, Andorra, Congo e Madagáscar.

Foi, no entanto, uma programação rica e densa que permitiu a apresentação dos espectáculos num ambiente que convergiram criações de dança contemporânea com musicalidades e movimentos tradicionais dentro de um contexto contemporâneo.

Para além dos espectáculos, a 7ª edição do KINANI teve uma programação paralela que contou com a participação de Directores Internacionais e técnicos de festivais que estiveram em Moçambique não apenas para assistir os espectáculos mas também para partilhar e trocar experiencias com estudantes do curso de dança do ISArC - Instituto Superior de Artes e Cultura através de oficinas, debates e palestras.

Para Quito A. Tembe, director do KINANI “Esta edição veio mais uma vez comprovar a presença da dança contemporânea em Moçambique pela diversificação do público e o número de espectáculos apresentados, foi não apenas uma semana de mostras mas também de conversas e debates entre artistas e estudantes de instituições culturais”. Por outro lado, Tembe reafirmou o seu compromisso na promoção da dança contemporânea em Moçambique e agradeceu a todos parceiros que tornaram esta edição possível.