O anúncio foi feito pela UCCLA, através da sua página oficial na internet, que vem lembrar que as candidaturas para o Prémio Literário UCCLA – Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa estavam previstas para terminar a 31 de janeiro de 2018.

Ao concurso são admitidos concorrentes que sejam pessoas singulares, de qualquer nacionalidade, fluentes na língua portuguesa, com idade não inferior a 16 anos, sendo que, no caso dos menores de 18 anos, a atribuição de prémios ficará sujeita à entrega de declaração de aceitação pelos respectivos titulares do poder paternal.

O referido prémio, uma iniciativa conjunta da UCCLA, Editora A Bela e o Monstro e Movimento 2014, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa, tem como objectivo estimular a produção de obras literárias, nos domínios da prosa de ficção (romance, novela e conto) e da poesia, em língua portuguesa, por novos talentos escritores.

O concurso tem como júri, o cabo-verdiano Germano Almeida, os portugueses José Pires Laranjeira e Isabel Pores Lima, o angolano José Luís Mendonça, o brasileiro António Carlos Secchin, e Inocência Mata de São Tomé e Príncipe, juntamente com a Biblioteca Nacional do Brasil, com o representante da UCCLA, Rui Lourido, e representante da Editora A Bela e o Monstro UCCLA, João Pinto de Sousa.

O prémio da 2ª edição do Prémio Literário UCCLA, que recebeu a concurso obras de 520 autores, que nunca haviam publicado um livro de literatura, de Inglaterra, Holanda, Espanha, Argentina e Estados Unidos, com textos enviados em português, para além dos países que falam português, foi atribuído ao livro “Diário de Cão” da autoria do brasileiro Thiago Rodrigues Braga.

Na 1ª edição do Prémio Literário UCCLA – Novos Talentos, Novas Obras em Língua Portuguesa, a obra vencedora foi “Era uma vez um Homem” da autoria do português João Nuno Azambuja, entre os 865 obras de 722 autores concorrentes.