O quarto dia da décima terceira edição do Mozambique Fashion Week, considerado o maior evento de moda do país, abriu espaço ontem, para o desfile de young designers, no Centro de Conferências Joaquim Chissano, numa noite em que no meio de talentosos estilistas como Farzana Alberto, Ernesto Lacheque, Shamila Bassir, Clara Chembene, Babo e Person, Martxelo Barrone mostrou-se autor da colecção mais aplaudida, sendo assim favorita ao prémio Melhor Designer 2017.

No final dos desfiles, o SAPO conversou com o estilista mais aplaudido da noite para entender o propósito da sua colecção baseada em blazers de mangas longas, shorts e máscaras.

“Consigo expressar a moda e nesta noite senti que expressei. Inspirei-me na vida, aliás, sempre inspiro-me na vida, sou da opinião que moda é loucura e para viver desta arte é preciso ter muita coragem e muita gente ainda não está ciente disso, eu já estou preparado para viver isso”, disse Martxelo.

Mesmo tendo sido o mais aplaudido da noite, o nosso interlocutor deixou claro que a sua participação no MFW não está directamente liga a questões de premiação, mas sim partilha de experiência.

“Eu não estou atrás do prémio, o MFW não é um concurso para mim. Sou o tipo de estilista que faz roupa comercial durante o ano, mas quando crio para o MFW é para fazer Fashion Show, mostrando o meu conceito de moda, então não faço algo normal”, considerou rodeado de fãs que esperavam tirar fotos ao seu lado.

Quanto ao momento musical, coube ao Celso Notiço desfilar a sua classe com a música “Sonhos Molhados”.

Entretanto, hoje espera-se a realização da segunda e última parte do desfile dos Young Designers para divulgação do vencedor desta categoria, ainda no Centro de Conferências Joaquim Chissano.

O Mozambique Fashion Week é um evento cultural e artístico que ao longo de 13 anos tem trabalhado no ramo da moda, com o desejo de criar e procurar novos talentos igualmente de expandir a indústria pelo mundo fora.