1. Não Ouve Dizer – Ell Puto

Espelho, espelho meu. Existe um vídeo mais cultural e emblematicamente rico como eu neste mundo? Esta pergunta, embora narcisista, certamente seria colocada por este vídeo caso tivesse uma alma. Bom, pense num vídeo que junta a nata dos melhores cantores de quase todos os estilos (Júlia Duarte, Hot Blaze, Neyma, Anita Macuacuá, Ubakka, Hernâni da Silva), um embondeiro (Wazimbo) e figuras públicas do futebol (Tico-Tico), televisão (Puto Aires), humor (Wantsongo) e poesia (Féling Capela).

Todos com a missão única e exclusiva de apresentar ao mundo quão bom é ser moçambicano, na companhia da 2M, um produto da Cervejas de Moçambique.

Apesar de também exaltar o nome de marca, “Não Ouve Dizer” é um tema inclusivo independentemente de consumir ou não a cerveja, na medida em que os enunciados publicitários não são claros, directos e repetitivos. Mas para um bom entendedor, meia palavra basta. A capulana, a madeira e zinco, o chapa, a praia e a dança resumem um pouco do que é a nossa identidade.

2. Phambene - New Joint

“Phambene”, dos multifacetados “New Joint”, que em tradução livre significa “avante”, é para nós uma das melhores exaltações da riqueza africana ao nível de sonoridade (o som da corneta de uma pala-pala mesmo à entrada do vídeo, sem nos esquecermos do grito de guerra).

E no diz respeito ao vídeo, que é a razão deste artigo, há muito que dizer, desde a exibição de passos de dança africanos até ao traje (panos quadrangulares sobre o corpo) dos intervenientes.

E por falar em dança, o vídeo ilustra uma relação bélica entre três grupos distintos, liderados por Júnior, Kamane e DJ Low Low, que preferem usar a dança como o arsenal para assim se descobrir o mais poderoso.
Contudo, um dos momentos mais altos é a dança do salto, comum nalgumas tribos africanas, apresentada por Júnior, como forma de intimidar o inimigo.

3Taratara - Marllen

Vídeo lançado sob a chancela da “Geração de Ouro”, do empresário Faizal António, actual  Vice-Presidente do pelouro do Turismo para o subsector da cultura na CTA,  apresenta ao mínimo detalhe o comportamento de um homem que ignora completamente os bons tratos e atenção à esposa.

É a partir daí que, “Preta Negra” e vizinhos, apercebendo-se da situação, entram em acção para uma lição de moral e convivência, com uma coreografia e cenários condizentes ao tema. E não faltou a famosa casa de madeira e zinco e uma legenda em português, que faz toda diferença no diz respeito à inclusão, nos dias que correm.

4. Põe um Like - Duas Caras

O Jay-Z de Moz, como é chamado pelos seus fãs, não costuma ser de investir em vídeos para promover os seus trabalhos.  Considerando que a prática nos leva à perfeição, “Duas Caras” prova o contrário neste vídeo, que junta diversas personagens e cenários da cidade de Maputo, com um tema actual que gira em torno do (mau ou incorrecto) uso das Tecnologias de Informação e Comunicação, com destaque para o Facebook e as fake news.

Duas Caras explorou o mar, o nascer do sol, os arranha-céus”, e as vias da cidade com simplicidade e várias vezes optando por imagens escuras.

Resumidamente, “Põe um Like” consta da lista dos dez melhores vídeos lançados em 2018, por compreender um storybord com início, meio e fim, até quando o assistimos sem áudio. E porque falamos também da diversidade de personagens neste vídeo, a presença do actor Laquino, antigo membro da Companhia do Teatro Gungu, não passa despercebida. O actor justificou com muita espontaneidade o porquê de não ser um dos mais solicitados, mas sim o mais solicitado por artistas.

5. Não me arranja problema - Mr. Bow

É como se “Bawito” tivesse dado ordem para que os bailarinos dançassem sem cessar. É tanta dança e coreografia para ver, copiar e chegar à pista, simplesmente ganhar um troféu. Por isso, devia ser considerado um “dance vídeo”, não fossem os intervalos em que se ignora a dança para acompanhar a letra da música.

Em “Não me arranja problemas”, o King de Moçambique explora, além da dança, pontos turísticos da capital. E o que mais surpreende é a impressão de que a maioria dos curiosos que iam assistir às filmagens acabaram por fazer parte do enredo, exibindo assim os seus confiados passos de dança.

6. Só Dever - Azagaia ft Gina Pepa

Tal como Marllen e Mr. Bow, é pela segunda vez que o nome de Azagaia consta da lista dos melhores vídeos na óptica do SAPO Txiling. Os motivos para tal são indiscutíveis.

A expressividade que Azagaia confere aos seus vídeos é própria de quem domina as artes cénicas. Já provou que sabe ser pobre, revolucionário, boémio, operário, político entre outros papéis.

Quando se questionava o silêncio deste que é o mais interventivo rapper do país, perante o assunto das dívidas não declaradas, Azagaia “puxa” Gina Pepa, uma grande “female MC” para juntos protestarem contra o regime que supostamente hipotecou o futuro de 28 milhões de moçambicanos, num cenário entre dois pacatos cidadãos que correm atrás do pão de cada dia e, mesmo assim, terem de pagar dívida cujas origens são desconhecidas.

7. Tuas Selfies - Hernâni da Silva

Um vídeo nocturno e simples, filmado nas ruas de Lisboa, num período em que Da Silva fora a Portugal para dar continuidade aos seus estudos. Mas não é sobre a vida académica do autor que o vídeo fala.

Como de costume, o irmão da Dama do Bling, Hernâni da Silva Mudanisse, não perde a oportunidade  de exaltar o seu guarda-fatos. Aliás, balneário seria se calhar a expressão correcta, devido às camisolas de clubes e selecções de futebol que este ostenta nos seus vídeos, neste caso concreto do Barcelona e da selecção da França.

Basicamente, o fenómeno especial neste vídeo, além de mostrar a beleza da capital daquele país lusófono, é a forma como o director do vídeo apresenta o percurso da modelo a quem Hernâni se declara apaixonado. Não precisou de mostrar carros de luxo, álcool e muito menos passagens obscenas. Pelo contrário, pode perceber-se o lado positivo das noites de Lisboa.

8. Tsunela - Zander Baronet

Baronet iniciou-se oficialmente na música a fazer kizomba. Foi este o género musical que lançou o mano da Shelsy Baront ao mercado. Mas, incrivelmente, decide, de forma radical, apostar numa afro-pop, ainda por cima interpretada em changana, uma das línguas do sul e que pouco domina. Até aqui esta é a cereja do topo do bolo.

Para agradecer à esposa pelo suporte durante os anos da relação, Baronet, orquestra um sequestro contra a própria parceira, para depois lhe oferecer uma luxuosa viatura, em cenários simples de uma zona costeira. E claro, mais uma vez, a praia da Costa do Sol ganhou o merecido destaque.

9. Rival Brega - Euridse Jaque

A autora optou por um vídeo de estúdio, com algumas pinceladas de uma sala de estar e cozinha. O jogo de cores de fundo e das roupas de Euridse Jaque mostraram muita ousadia – o amarelo a jogar com o verde, o verde com o rosa, o laranja com o azul.

As transições “relâmpago” também são um fenómeno digno de aplausos na medida em que os looks das roupas e cabelos alteram. É um vídeo esplêndido e cheio de charme, de uma senhora bem instruída e que inspira confiança ao ponto de não se preocupar com a existência de uma rival que faz de tudo e mais um pouco para marcar a sua presença em lar alheio.

10. Revolução Cultural - Kloro ft Walter Nascimento

As casas e vedações de madeira e zinco estão a ganhar cada vez mais espaço no meio artístico-cultural, concretamente no cinema e na música. Estas habitações, apesar de fora da moda, possuem uma magia inigualável na revelação de imagens.

Deve ter sido por isso que Kloro, ex-integrante dos Trio Fam, não quis perder a oportunidade de conferir ao seu vídeo passagens que caracterizam algumas zonas suburbanas da capital do país, numa música em que descarrega toda a sua experiência adquirida durante dois anos (2017-18), no âmbito da promoção do seu CD “Xigumandzene”.

Num ambiente entre amigos, Kloro toma a posição de orador e avança com discursos de motivação até que os seus próximos concordem com as suas explanações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.