“Yesu i Vutomi”, composto por oito faixas musicais, segundo narrou Matavele em entrevista ao SAPO, surge da necessidade de tirar as músicas de dentro das quatro paredes das igrejas e levá-las a atravessar outros patamares, concretamente às rádios e TV, como forma de a fazer chegar aos demais apreciadores.

Matavel revelou ainda que a principal motivação para conceber o seu primeiro álbum surge aquando da sua participação numa conferência  sobre a música gospel, na qual tinha sido convidado para actuar. Neste certame, foi questionado sobre os motivos pelos quais a música gospel não ter a devida relevância no país e terá apontado o facto de os músicos não gravarem as suas obras e apenas chegarem ao público religioso.

Posto isto, Edson Matavele decidiu quebrar barreiras, entrando em estúdio para gravar oito  faixas (com um bónus track incluso) cujas composições datam de 2008.

É, portanto, neste quesito que Edson Matavele se diferencia dos demais artistas do gospel, na medida em que apenas uma das suas músicas pertence às famosas canções do Hinário Mhalamhala e justifica-se: “Investi num CD de músicas com composições originais porque, pelo andar do tempo, fui percebendo que o público gosta da minha escrita. Portanto, neste trabalho só incluí uma do Hinário Mhalamhala por uma questão de abrangência”.

Edson Matavele leva o gospel das igrejas ao público com concerto e gravação de disco
CD Yesu i Votomi

E foi também a pensar no seu público que Edson Matavele convidou, para o ajudar a comemorar o seu primeiro grande passo na carreira, músicos e grupos corais conceituados da praça como é o caso de Alfa Thulana, Sheila, Raimundo Sive, Grupo Elói, Banda Fiel e Full Gospel W.T.

“Inicialmente, não era suposto realizar um espectáculo este ano, mas depois de analisar a dimensão do lançamento do CD, cheguei à conclusão de que o público merece muito mais do que um disco autografado e sessões de fotografias. Por isso, decidi brindar todos com um concerto que irá servir também para apresentar os meus temas”, esclareceu.

Matavele realçou ainda que o seu maior contributo para o mercado musical passa por “resgatar os nossos valores como moçambicanos e reafirmar a nossa presença na indústria musical gospel, em particular em África”.

Produzido por Raimundo Sive, “Yesu i Vutomi” conta com participações de Dércio Bahule, Sheila, Frederico Sive, entre outros. Nesta primeira fase, existem apenas 200 cópias para vender.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.