Lançada na semana passada no Change.org, um site que permite a criação de petições online, a iniciativa apela ao "impedimento" do filme "por ofender gravemente os cristãos", tendo já ultrapassado a marca de um milhão de assinaturas.

Em causa está a mais recente comédia da Porta dos Fundos, "Especial de Natal: A Primeira Tentação de Cristo", lançada a 3 de dezembro, e que apresenta Jesus Cristo como homossexual, questionando a sua vocação para pregar a palavra de Deus.

O filme, de 46 minutos, protagonizado pelos humoristas brasileiros Gregorio Duvivier e Fábio Porchat, não agradou a grupos religiosos, que criticaram a temática abordada.

A Associação Nacional de Juristas Islâmicos (ANAJI) do Brasil, formada por juristas muçulmanos que têm como objetivo defender os interesses da comunidade islâmica no país, emitiu uma nota de repúdio contra o grupo Porta dos Fundos e contra a Netflix por considerar que desrespeita a fé cristã.

"É com imenso pesar que a ANAJI repudia a atitude do Porta dos Fundos e Netflix, que em vídeo deturpa a imagem do profeta Jesus e sua mãe, Maria. O artigo 5.º da Constituição brasileira deixa bem claro a proteção e respeito ao sagrado", indica a associação.

Esta entidade alerta ainda que a "liberdade de opinião e de expressão, também garantida pela Constituição, tem caráter relativo, podendo ser exercido tão somente dentro dos limites impostos pelo ordenamento jurídico, de maneira que não haja o desrespeito e o fomento de aversões ou agressões a grupos religiosos, caso contrário implica na tipificação de crime".

O documento, assinado pelo presidente da ANAJI, Girrad Mahmoud Sammour, pede aos "cidadãos de bem" que denunciem a obra cinematográfica em causa, independentemente da sua religião, argumentando que a "liberdade deve ser para todos, sem exceção".

"Estamos contra qualquer desrespeito e em solidariedade aos nossos irmãos cristãos. No Alcorão Deus diz para nos auxiliarmos na virtude e piedade e não no pecado e hostilidade", refere o documento, acrescentando que a ANAJI irá tomar todos os "meios judiciais cabíveis para coibir tamanho desrespeito".

Também o bispo católico brasileiro Henrique Soares da Costa, da Diocese de Palmares, no estado de Pernambuco, usou a rede social Facebook para declarar que anulou a sua subscrição da plataforma Netflix após o lançamento do filme "A Primeira Tentação de Cristo", apelando aos cristãos que procedam da mesma forma.

"Em pleno tempo de preparação para o Natal do Senhor, a Netflix deu um bofetão no rosto de todos os cristãos, cuspiu na nossa cara, troçando da nossa fé. Certamente, instigada pela força demoníaca que tem inspirado tantos corações e mentes nestes tempos de neopaganismo, esta empresa ofereceu na sua programação como 'Especial de Natal' um filme blasfemo, vulgar e desrespeitoso (...) com a fé de todos os cristãos", escreveu o bispo.

Henrique Soares da Costa pediu aos crentes que "atinjam" a Netflix e a Porta dos Fundos naquilo que realmente lhes importa, “o bolso".

"Como bispo da Igreja, eu exorto vivamente aos cristãos: neste Natal, proclame o seu amor, a sua fé, o seu respeito em relação a Nosso Senhor Jesus Cristo, mostre que o seu amor por Ele é real e ativo: cancele a assinatura da Netflix e lá, no menu apropriado, explique o motivo: 'desrespeito por Jesus Cristo', 'desrespeito pelo cristianismo'", escreveu o prelado na rede social.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.